Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Inês Bonfim Madeira

Apaixonada por livros, música e frases que mudam vidas. © Inês Bonfim Madeira Textos e Imagens

Inês Bonfim Madeira

Apaixonada por livros, música e frases que mudam vidas. © Inês Bonfim Madeira Textos e Imagens

Amanhã, regressas

 

    As noites arrastavam-se sem fim à vista durante a tua ausência. Mal podia esperar para estar contigo. Para te ter de novo junto a mim. Para unir os teus lábios aos meus. Para te segurar e não te voltar a largar. Para respirar o teu odor tão profundamente nunca mais ser capaz de voltar a sentir outro cheiro que não fosse o teu.
    Sou como uma criança impaciente pela manhã do dia de Natal. Não consigo dormir. Viro-me na cama. Mas tu não estás lá. Levanto-me e passeio pela casa. As divisões vazias apenas acentuam a tua ausência.
    Espreito pela janela a rua iluminada pelo brilho artificial dos candeeiros. Em cada sombra sobressalto-me imaginando que regressaste. É apenas um gato fugido. Um ramo que se agita ao vento. Nunca és tu.
    Regresso à cama e cerro os olhos. Demasiado agitada para relaxar. Demasiado excitada para manter os olhos fechados. Demasiado ansiosa para não controlar o lento movimento do ponteiro do relógio. Demasiado desejosa para me impedir de pensar em ti.
    Pensei que depois de algum tempo as coisas mudassem. A novidade passaria e eu saberia lidar com a tua ausência. Nunca me habituei. Quanto mais tempo passávamos juntos mais difícil era separar-me de ti.
    Fica comigo, apetecia-me sempre pedir-te. Mas não o fazia. Não podia prender-te. Não quando te amava e compreendia que esse não era um direito meu. Tinha de te deixar partir para que voltasses.
E voltavas. Mas ao ver-te partir levavas aquele pedacinho de insegurança que me segredava que poderias não o fazer. Por favor, volta sempre, pensava. Nunca o dizia.
    Hoje despediste-te de novo.
    Volta para mim. Penso.
    Tu olhas-me e sei que regressarás. Não o dizes. Eu não to peço. Ambos sabemos que eu poderia pedir e tu aceitarias sempre. É aqui que sei que nunca vou ter de o dizer.

 

De Inês Bonfim Madeira